Trilhas Cachoeira do Alcantilado

Publicado em agosto 21st, 2015 | por Rafael Avila

0

O que fazer em Visconde de Mauá

Veja como chegar em Visconde de Mauá e conheça pousadas, restaurantes, as melhores cachoeiras e atrativos de cidades próximas como Maringá e Maromba.

Hoje eu vou falar sobre alguns belos atrativos e possibilidades de passeios em uma região bem bonita aqui do estado do Rio de Janeiro que ficam bem perto de Resende e de Itatiaia. Para quem não conhece, Visconde de Mauá tem uma série de trilhas e cachoeiras muito legais de serem aproveitadas em um bom final de semana por lá.

Onde fica Visconde de Mauá

Para começar, vale a pena entender exatamente onde fica a região de Visconde de Mauá. Saindo do Rio de Janeiro e pegando a rodovia Nova Dutra, por volta do km 311, entre as cidades de Resende e de Itatiaia, tem uma saída que leva para lá.

Caminho de Visconde de Mauá - Placa Saída 311

Da cidade do Rio até a saída para Visconde de Mauá são cerca de duas horas de viagem de carro. Saindo de São Paulo é um pouquinho mais de tempo e a saída é a mesma 311, a única diferença é que você precisa pegar um retorno (fica tranquilo que tem placa).

A partir dessa saída, você pega cerca de 27 km até chegar na primeira das 3 cidades, que é Visconde de Mauá. Logo depois, continuando na estrada principal você chega até Maringá e um pouco mais a frente encontra Maromba. Dá uma olhada no mapa (com as cachoeiras) que vai te dar uma ideia de onde ficar:

Mapa - Região de Visconde de Mauá

Onde Ficar

As principais cidades, pela ordem que você passará pela estrada são:

  • Penedo
  • Visconde de Mauá
  • Maringá
  • Maromba

Na minha opinião, por ficar um pouco mais embaixo da serra, Penedo não é uma boa. Das outras 3 cidades você encontra boas opções de pousadas em Visconde de Mauá e Maringá. Além disso, essas duas cidades são bem centralizadas e estão bem perto (se você estiver de carro) das principais cachoeiras.

Cachoeiras de Maromba

São 3 principais:

  • Cachoeira do Escorrega
  • Cachoeira do Poção
  • Cachoeira do Véu da Noiva

Eu escrevi mais sobre cada uma delas em um outro artigo aqui do Adrenalina

Cachoeiras do Vale do Alcantilado

Se um dia foi para as cachoeiras de Maromba, o outro precisa ser para as cachoeiras do Vale do Alcantilado. O acesso agora não é tão simples, mas também não é nada do outro mundo. Saindo de Visconde de Mauá, você vai sair a direita na estrada para Maringá quando avistar uma placa informando o Vale.

Logo depois da saída você vai pegar uma estrada de terra até chegar no Sítio onde ficam as 9 cachoeiras do Alcantilado. Logo que você chega, já vê no alto do morro, ao longe, a pedra da nona cachoeira.

Vale do Alcantilado - Entrada - Visconde de Mauá

As nove cachoeiras são:

  • Cachoeirinha
  • Poço de Areia
  • Poço das Raízes
  • Cachoeira do Açude
  • Cachoeira da Muralha
  • Cachoeira do Lajeado
  • Cachoeira da Toca
  • Cachoeira da Gruta do Granito
  • Cachoeira do Alcantilado

Existe uma taxa (se não me engano de R$14 por pessoa) e uma trilha de 1,5 km até chegar na última cachoeira (3 km ida e volta). Mas começando do início, a primeira que você encontra é a Cachoeirinha, logo bem perto da entrada. Essa é uma bem simples, rasa e sem muita coisa nova, mas bem agradável para parar na hora da volta, antes de ir embora.

DCIM101GOPRO

Continuando na trilha você acaba passando por uns lugares bem bonitos como esse aqui embaixo, que fica do lado da cachoeira do Lajeado (se não me engano):

DCIM101GOPRO

Mais um pouco e você pode se divertir subindo uma grande tora que fica escorada na cachoeira da Gruta do Granito:

DCIM101GOPRO

E por fim, se você tiver raça para ir até o fim (é bem tranquilo), você é presenteado com essa cachoeira imperdível. Recomendo mesmo que você vá até lá em cima.

DCIM101GOPRO

Além da rocha imponente

DCIM101GOPRO

Você ainda é presenteado com a melhor vista do local. É possível ver até a entrada e a casa do sítio que você passa:

DCIM101GOPRO

Depois é só voltar e ir parando nas cachoeiras que tiver gostado mais. Caso você tenha ficado na dúvida sobre ir até o local de todas as cachoeiras, não fique, vale a pena passar e conhecer todas.

Se você fez que nem eu e foi passar apenas um final de semana vale a pena ir bem cedo no domingo, para conseguir ainda aproveitar as últimas horas do hotel antes de voltar para casa. Caso você fique mais dias e tenha tempo de visitar outros lugares, ainda pode procurar mais sobre esses aqui:

  • Outras cachoeiras de Visconde de Mauá, Maringá e Maromba
    • Cachoeira Santa Clara
    • Cachoeira Toca da Raposa
    • Cachoeira do Santuário
    • Cachoeira das Antas
    • Cachoeira da Saudade
    • Cachoeira da Água Clara
    • Cachoeira da Prata
    • Cachoeira do Paiol

Se quiser saber onde está cada uma dessas cachoeiras é só olhar nesse mapa:

Mapa Cachoeiras de Mauá

Outras atividades para elevar a Adrenalina nas redondezas

  • Voo Livre
  • Rapel
  • Locação de jipes e quadriciclos
  • Cannoyng

Veja mais informações sobre essas aventuras aqui.

http://www.viscondedemaua.com.br/aventuras.html

Pousadas, Hotéis e Restaurantes em Visconde de Mauá

Hotéis e Pousadas:

  • Pousada Verde Água
  • Hotel Warabi
  • Pousada Aldebaran
  • Pousada Recanto da Serra

Curti bastante quando fiquei em um chalé da Verde Água, serviço muito bom, café da manhã no quarto, lareira e uma vista bacana. Esse é o que eu recomendo. Se quiser pesquisar mais opções, achei o Warabi bem bonito também e o mais legal é que bem do lado tem uma mini fábrica de cervejas atersanais, uma excelente opção.

Restaurantes:

  • Restaurante Maison de la Fondue
  • Warabi restaurante japonês
  • Dona Mathilde Bier
  • Costa Brava – Casa do Fondue

Essas são algumas das opções, mas além do Maison de la Fondue que tem um clima intimista e jantar a luz de velas bem legal, recomendo que você dê uma volta pela alameda gastronômica de Maringá (tanto o lado do RJ como o de MG).

Outros:

Sei que é meio fora de tópico, mas para quem tem casa e quer comprar algumas coisas extras, comprei tapetes e futtons muito bons e baratos em uma loja de Maringá (lado do RJ mesmo).

Quanto tempo devo ficar

Um final de semana é tempo suficiente (todas as vezes que eu fui fiquei foi exatamente isso, 2 dias), mas se quiser emendar um feriado também pode ser legal para conhecer ainda mais cachoeiras pela região.

Um pouco de História: Visconde de Mauá

Se estamos falando da região de Visconde de Mauá, vale sempre a pena falar um pouco do homem que deu nome ao lugar. Esse homem é Irineu Evangelista de Sousa, que nasceu em 1813 no Rio Grande do Sul e viria a ser conhecido futuramente como Visconde de Mauá. Foi filho do casal João Evangelista de Ávila (olha meu sobrenome aparecendo na história) e Sousa e Mariana de Jesus Batista de Carvalho.

Para resumir, Irineu começou a trabalhar aos nove anos na Praça do Comércio, um estabelecimento comercial no RJ. Depois de idas e vindas, em 1830 foi recomendado pelo ex patrão para trabalhar na empresa de importação do escocês Richard Carruthers, onde se desenvolveu ainda mais profissionalmente e conquistou a confiança do patrão.

Com 23 anos ele já era gerente da empresa e em 1839, quando o dono voltou para o Reino Unido, Irineu assumiu os negócios da empresa no Brasil. No ano seguinte, em 1846 adquiriu um estaleiro em Niterói, que se chamou Estabelecimento de Fundição e Companhia Estaleiro da Ponta da Areia. Esse seria o início de muitos dos feitos do futuro Barão de Mauá, que em 1874 recebe o título de Visconde de Mauá. Em suas principais contribuições podemos destacar:

  • Fundação da Companhia de Iluminação a Gás do Rio de Janeiro

Fábrica de Gás do Rio de Janeiro - Visconde de Mauá

  • Companhias de navegação de bonde
  • Construção de estradas de ferro

Sua história de contribuição para o desenvolvimento industrial nacional teve fim em 1889, quando veio a falecer em Petrópolis, no Rio de Janeiro, aos 75 anos de idade.

Tags: , , , , , , ,


Sobre o Autor



Voltar ao Topo ↑
  • Fique por Dentro

  • Categorias

  • Agenda de Posts

    dezembro 2017
    D S T Q Q S S
    « maio    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Comentários